logo
blog-1

Trotinetas elétricas têm limite de velocidade?


Embora alguns países europeus comecem a restringir a sua utilização, as trotinetas elétricas são veículos de mobilidade pessoal que conquistam cada vez mais utilizadores.

Dessa forma, a velocidade que podem atingir é um dos aspetos mais preocupantes nas cidades, principalmente para os utilizadores mais vulneráveis, como é o caso dos peões. Saiba tudo!

O design deste pequeno meio de transporte é pensado para que as velocidades possam variar entre os 6 e os 25km/h, deixando o veículo de ser de mobilidade pessoal se exceder esta velocidade. 

Não é necessário obter um certificado de registo para utilizar uma trotineta elétrica, nem é obrigatório seguro, sendo assim equiparada à utilização de uma bicicleta. 

Contudo, a velocidade máxima deve ser respeitada, estando afixada nos 25km/h. Aumentar a velocidade ou a potência são algumas das tentações a que alguns utilizadores de trotinetas elétricas podem estar sujeitos, no entanto essa prática é ilegal. 

Com base nesta temática, a Fundação MPFRE e a CESVIMAP realizaram um estudo sobre Testes de colisão de trotinetas elétricas e riscos associados ao processo de carregamento: recomendações para uma utilização segura. 

Neste estudo, demonstram as consequências de um acidente com uma trotineta elétrica em diferentes situações, quais os efeitos da sua potência, quais os riscos de incêncio provenientes do sobreaquecimento do motor, etc. Este estudo conclui, ainda, que a troca do motor por outro com mais potência para obter uma velocidade mais elevada pode originar problemas, já que o controlador, a bateria e o BMS também devem ser trocados. 

Por isso, lembre-se que alterar a velocidade e a potência da trotineta elétrica é perigoso, para além de ser contra os regulamentos. O estudo inclui vários crash tests. Um deles analisa precisamente as consequências do atropelamento de um peão (uma criança) por uma trotinenta. 

As consequências são ferimentos graves nos joelhos, tórax e cabeça, que normalmente embatem primeiro violentamente contra a coluna de direção da trotineta e depois contra o chão. Também afeta os ombros, onde a massa do condutor e da própria trotineta cai no momento do impacto com o asfalto.



A primeira nota a reter é: se conduz uma trotineta elétrica deve reduzir a velocidade, principalmente na presença de utilizadores vulneráveis na estrada, especialmente peões. Para maximizar uma mobilidade segura, cumpra sempre as indicações e regulamentos do fabricante.


A Insparedes deseja-lhe Boas Viagens!


Aceder à fonte da notícia